Pular para o conteúdo

Fuja da manada!

  A primeira vez que ouvi falar a frase “Fuja da manada” passei uns dias em choque. Eu comecei a me questionar e desenhar vários cenários do que eu ganharia

Entrevista com o Empreendedor

 

A primeira vez que ouvi falar a frase "Fuja da manada" passei uns dias em choque. Eu comecei a me questionar e desenhar vários cenários do que eu ganharia se eu seguisse a manada e se não seguisse. E o que eu perderia ao seguir ou não.

 

Não há erro aqui! São quatro cenários. E a boa notícia é que podemos fazer isso para qualquer situação das nossas vidas.

 

São eles:

  1. O que eu ganho ao fazer algo.
  2. O que eu perco ao fazer algo.
  3. O que eu ganho ao não fazer algo.
  4. O que eu perco ao não fazer algo.

 

Antes de explicar o desfecho do dilema acima, imagine um jovem, 21 anos, recém-chegado na cidade, longe da família, bolsista na universidade, dormindo em um chão gelado, vendendo salgado pelas ruas e com todos os desafios que a maioria das pessoas em uma vida normal passa.

 

O que planeja esse jovem para o futuro? Bom, esse jovem sou eu e vou contar quais eram esses sonhos e como pude analisar as oportunidades que foram surgindo no meu caminho.

 

Relendo o texto acima, tive a leve impressão que deu a entender que a ida para a cidade nova foi devido a bolsa universitária. Não foi!

 

Explico: Era primavera de 2004 e minha família amargava consequências de uma enchente no ano 2000. Ao ver meu pai em sinais nítidos de uma possível depressão, me achando super-herói, vesti as vestes da coragem e abri mão da zona de conforto da cidade natal e escolhi Campinas para explorar as oportunidades da minha jornada.

 

Voltando a frase da manada, eu lembro até hoje o dia que estava indo pra faculdade e meus olhos alcançaram um outdoor que estava escrito em letras garrafais "FUJA DA MANADA". Sem entender muito bem no primeiro momento, eu tentei armazenar em algum lugar do meu cérebro para uma consulta posterior.

 

Seguindo o fluxo em que todos caminhavam para entrar na universidade, o pensamento da manada foi inevitável. Naquela época minha faculdade vendia o sonho da carreira executiva nas melhores empresas do Brasil e do mundo.

 

Todos sonhavam em uma carreira nas cobiçadas "the best places to work - melhores empresas para se trabalhar".

 

Sempre existe mais de um caminho...

 

Estimulando o pensamento crítico, a pergunta que veio a mente foi: "o que eu posso fazer de diferente do que apenas desejar trabalhar nessas empresas?"

 

E veio a resposta imediata:

 

 "Alguém constrói essas empresas".

 

Não preciso dizer que minha cabeça entrou em parafuso.

 

E agora? Como saber o que realmente devo fazer e para onde seguir?

 

Simples, analise os cenários com as perdas e ganhos usando as quatro perguntas acima. Por último, tome decisões baseadas nos seus valores e "premissas criadas".

 

Conto-lhe, uma das minhas premissas é "FUJA DA MANADA".

 

Sempre há opção de fazer as coisas de um jeito diferente. Antes de “ligar o automático”, questione se o que você está se propondo a fazer, faz mesmo sentido pra você.

Mário Efatah - Grupo Efatah

Empreendedor de Oportunidade

Conheça outros Empreendedores

Quase 9 anos de um trabalho reconhecido em uma bela empresa, uma das melhores para se trabalhar. Eu literalmente estava na minha zona de conforto, com alto grau de conhecimento […]

  20 anos: essa foi a idade com a qual decidi começar a empreender. Se tem uma coisa que eu posso afirmar é que empreender não exige nenhum tipo de […]

Quanto ganha um estudante universitário que dá aulas particulares de música em uma grande cidade do Brasil? Entre 40 e 60 reais? Uau, isso é magnífico comparado com um estudante […]