Pular para o conteúdo

Segurança da Informação deve fazer parte da cultura organizacional para garantir bem-estar digital nas empresas

Vivemos em uma era em que startups se tornaram gigantes da Tecnologia e quebraram paradigmas da cultura corporativa ao revolucionar organizações, fluxos, processos e hierarquias. Este novo cenário proporcionou a

Entrevista com o Empreendedor

Vivemos em uma era em que startups se tornaram gigantes da Tecnologia e quebraram paradigmas da cultura corporativa ao revolucionar organizações, fluxos, processos e hierarquias. Este novo cenário proporcionou a liberdade e a autonomia de cada colaborador para o aumento da criatividade e, por consequência, da produtividade.

 

Conceitos como o sentimento de dono (ownership), meritocracia e diferentes metodologias ágeis vêm ganhando cada vez mais espaço nas discussões de governança corporativa e nas estratégias dos departamentos de Recursos Humanos das empresas, determinados a melhorar o ambiente de trabalho e a qualidade de vida do funcionário, preocupações genuínas, por sinal. Entretanto, tão importante quanto o mindset criado para o espaço físico é o cuidado com o uso das ferramentas digitais por meio do estabelecimento de uma cultura também focada na Segurança da Informação.

 

Veja, as diferentes correntes não disputam o mesmo espaço. Na realidade, são complementares. A tecnologia atualmente faz parte do cotidiano e dos processos de todas as corporações, seja por sua atividade-fim, seja para aprimorar as operações internas. A adoção de ferramentas que chegam ao mercado a todo tempo envolvendo Computação na Nuvem, Big Data, Inteligência Artificial e outras facilidades exige a implementação de medidas que atendam aos padrões de segurança digital para a manipulação de dados e arquivos. Ao mesmo tempo, tudo pode ser colocado em risco por uma simples desatenção, desconhecimento ou mau uso por parte de seus colaboradores.

 

A necessidade da cultura organizacional focada na segurança da informação fica mais evidenciada após os prejuízos causados em todo o mundo durante o ano de 2017, com os ataques virtuais realizados por meio de malwares como WannaCry e Bad Rabbit, que se traduziram em gastos que podem ter alcançado US$ 500 bilhões, segundo estimativas.

 

Um dos indicativos de que a preocupação é latente é o lançamento recente do Centro Global de Cibersegurança pelo Fórum Econômico Mundial - organização sem fins lucrativos que reúne anualmente grandes players mundiais para discutir questões emergenciais para o planeta - com o objetivo de estabelecer uma plataforma global para governos, empresas, especialistas e agências reguladoras colaborarem em desafios desse setor. Já o Gartner, consultoria global com foco em tecnologia, também prevê que os investimentos das empresas cheguem aos US$ 96 bilhões em 2018, envolvendo a implementação de soluções de segurança, equipes dedicadas e contratações de Diretores Executivos de Segurança da Informação (CISOs, sigla em inglês). Mas todos esses esforços podem ser em vão se os próprios colaboradores não adotarem hábitos adequados ao utilizar a infraestrutura digital durante o trabalho.

 

O maior investimento hoje é educar os funcionários sobre as melhores práticas para a segurança cibernética. Todo colaborador deve ter intrínseco em sua mente que os hackers estão visando a empresa constantemente e, portanto, todo cuidado é pouco ao abrir mensagens suspeitas ou na hora de escolher senhas fortes e soluções para gerenciamento de senhas. Outras medidas básicas de segurança incluem a atualização de softwares e antivírus, backups periódicos dos dados e arquivos, especialmente em relação aos dados confidenciais seguros, que devem ficar guardados fora dos laptops e dispositivos móveis.

 

Educação e Cultura são dois dos principais pilares para uma sociedade desenvolvida. No âmbito corporativo não pode ser diferente. O incentivo é fundamental para a criação de uma consciência digital coletiva, que se traduzirá em absorção de ideias e realização de ações de forma natural, garantindo o bem-estar tecnológico da instituição.

 

Bruno Prado - UPX Technologies

Conheça outros Empreendedores

A resposta pode ser uma oportunidade de negócio.   Já dizia a ONU e a OMS (Organização Mundial da Saúde) que a doença do século é a depressão. Hoje, mais […]

Não foi Campinas que escolheu Fabrício Bloisi. Foi Fabrício que escolheu Campinas, quando em busca de uma universidade diferente, o fundador e atual CEO da Movile descobriu a cidade no mapa e decidiu partir de Salvador para estudar por aqui.

  “Músico, Eu sou músico. EU SOU MÚSICO!” – Ah, que lindo. E qual é o seu trabalho?   Quem nunca ouviu isso antes, não é mesmo?   A lógica […]