Pular para o conteúdo

Quanto as pessoas estão dispostas a pagar pelo meu serviço?

Aqui é o lugar > Blog > Dicas > Quanto as pessoas estão dispostas a pagar pelo meu serviço?

Esse é um questionamento fundamental para qualquer pessoa que já tem uma profissão ou que está começando um novo negócio. Saber o que as pessoas de seu meio precisam e o quanto estão dispostas epodem pagar por isso é um dos pontos chaves para se começar qualquer empreendimento.

Como responder a essa questão?

 

A forma mais prática de averiguar o quanto as pessoas dispõem para gastar com determinado serviço é perguntar diretamente a elas. Existem muitas formas de se validar o interesse das pessoas em determinado produto ou mercado.

 

É interessante considerar perguntar diretamente a quem você conhece se estariam dispostos a pagar por aquilo que você tem em mente, e o quanto poderiam ou desejariam investir nisso. Simplesmente pergunte: quanto você pagaria pelo meu serviço?

 

Analise as reações de todos, esse é o primeiro passo. Através da sondagem, você conhece os desejos do público-alvo de seu projeto e pode partir daí para saber o quanto poderá cobrar de seus clientes.

 

Ao perguntar quanto as pessoas estão dispostas a pagar pelo seu serviço, você pode descobrir desejos e dores do seu público, e é aí que você deve focar o início de suas projeções.

 

Veja abaixo 5 pontos para considerar na hora de precificar o seu serviço ou produto:

 

      1.  Preço cobrado pela concorrência

 

É muito importante fazer uma pesquisa de mercado focada no preço que os concorrentes do seu serviço ou produto cobram. Com base nisso, você poderá decidir entre cobrar mais barato para atrair clientes inicialmente ou, então, cobrar mais caro para valorizar seus diferenciais. O melhor é não se afastar muito da média do mercado, para não dar a impressão de que seu produto é inferior ou, por outro lado, afastar clientes por conta do alto preço.

 

      2.  Os custos do seu serviço ou produto

 

Você está considerando todos os custos do seu negócio na hora de precificá-lo? Não pense apenas na matéria-prima: os custos incluem todas as despesas de infraestrutura, transporte, e até mesmo o investimento em cursos ou consultorias. Preste atenção em todos esses fatores para garantir que o preço final seja maior do que o que você gasta.

 

      3.  Sua experiência na área

 

Quando se diz respeito a prestação de serviços, o tempo de experiência do empreendedor nesse mercado também influencia o preço pelo seu trabalho. Se você é novo e está tentando ganhar espaço, pode valer a pena cobrar menos do que a concorrência já estabelecida. Com o tempo e com o acúmulo de experiência, você poderá oferecer mais diferenciais e, assim, aumentar o valor do seu serviço.

 

      4.  O tempo gasto com a atividade

 

O ideal na prestação de serviços é ter uma base do valor cobrado por hora trabalhada. Para fazer o cálculo desse valor, considere o quanto você pretende faturar em um mês.

 

Divida o valor total mensal pelo número de dias de trabalho e, depois, pela quantidade de horas trabalhadas em média por dia. Verifique de o valor final está de acordo com os outros pontos acima, como a média da concorrência.

 

Outras perguntas relevantes que você deve ter em mente são: meu serviço é necessário no local onde desejo instalar meu negócio? As pessoas podem pagar por ele? O quanto meu serviço é relevante para as pessoas, a ponto de desejarem pagar por obtê-lo?

 

Depois de ter em mente um retrato claro da situação local, é hora de colocar as ideias à prova. Pergunte-se se seu serviço poderá criar comodidade para as pessoas, a ponto de elas desejarem pagar para ter um tipo de serviço que será um diferencial para facilitar seu dia a dia.

 

Se você tem uma profissão que melhora a vida das pessoas, foque em tornar seu trabalho cada vez melhor e mais especializado em tratar bem seus clientes. Nós estamos dispostos a pagar por aquilo que torna nossas vidas melhores, mais fáceis, mais cômodas ou mais divertidas, e esses detalhes são pontos chaves na hora de investir em qualquer coisa.

 

Vilmar Castro - Análise Digital

 

RGE Campinas
Postado por: RGE Campinas
Publicado em: 30/05/2018

A Rede Global do Empreendedorismo acredita que o Brasil pode se transformar em uma referência mundial no tema de desenvolvimento do ecossistema empreendedor. Mas, apesar de ¾ da população afirmarem que prefeririam abrir seu próprio negócio, o empreendedorismo ainda é visto como coisa de super-herói no Brasil.

Você também pode gostar destes artigos

22/08/2018

Se fôssemos apostar no lugar comum diríamos que grandes corporações veem startups como ameaça. Seguiríamos então afirmando que toda startup quer destruir os modelos de negócio de grandes corporações. Não se deixe guiar […]

25/07/2018

Parece que de uns anos para cá o mundo está girando mais rápido e, por consequência, o tempo também está passando de forma mais veloz. Essa sensação é resultado da […]

20/06/2018

A partir de uma matéria publicada pela revista Forbes* (colocamos o link no final da publicação) conseguimos uma boa lista dos grandes erros legais cometidos por startups quando estas estão […]